Turismo receptivo pode ser incluído em MP da desburocratização

Vinicius Farah apoia setor que terá debate nesta quinta para inclusão na Medida Provisória do governo federal

O setor do Turismo Receptivo pode ser incluído na Medida Provisória 1040/21 editada para modernizar e desburocratizar o ambiente de negócios no Brasil. A Comissão de Turismo da Câmara dos Deputados promoveu audiência pública nesta quinta-feira (20) para debater o assunto. Vinicius Farah, deputado federal, é um dos apoiadores da iniciativa considerando o segmento como pilar para a economia de vários municípios brasileiros. Em números anteriores à pandemia, o Brasil ocupava posições de liderança global na contribuição do Turismo para a economia, alcançando 81,% do PIB nacional e gerando 7,5% dos empregos do País.

“Muitas cidades geram emprego e renda focados no turismo em maior ou menor escala, mas o segmento é fundamental para a economia local, regional e nacional. Como ex-prefeito de Três Rios, que primou pela desburocratização que possibilitou a cidade a receber 2.483 empresas em menos de oito anos sou entusiasta de modernização e facilitação de qualquer ambiente de negócios e o turismo pode e deve ser um deles”, afirma Vinícius Farah.

Neste debate participaram o presidente da Agência Brasileira de Promoção do Turismo (Embratur), Carlos Brito; o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (Abih), Manoel Linhares e o vice-presidente do Brasil Convention & Visitors Bureau, Roberto Fagundes, além de representantes de outras entidades do setor.

A Medida Provisória 1040/21, editada pelo governo federal e que está em trâmite no Congresso tem o objetivo de modernizar e desburocratizar o ambiente de negócios no Brasil. Ela promove diversas mudanças na legislação para simplificar a abertura de empresas, facilitar o comércio exterior e ampliar as competências das assembleias gerais de acionistas.

Segundo o governo, a MP pretende melhorar no curto prazo a posição do Brasil no ranking Doing Business, do Banco Mundial, que avalia a facilidade de fazer negócios em 190 países. Atualmente, o Brasil ocupa a 124ª posição, atrás de países com economias menores, como Bélgica e Armênia. E o setor de Turismo pode dar uma contribuição nesta ranking e também se beneficiar de menos burocracia.

“A perspectiva é de que o turismo retorne ao patamar anterior à pandemia somente no final de 2022. Então, é preciso mais do que nunca dar meios para que o setor, desburocratizado, possa retornar com força total”, aponta Vinicius Farah, frisando que toda ajuda é necessária para que o PIB do setor, que em 2019 chegou a R$270,8 bilhões – e registrou quase 40% de queda no ano passado – seja retomado na mesma escala.

O deputado federal diz que cidades de todos os portes precisam do retorno do turismo. “Uma cidade média como Petrópolis tem 6% do seu PIB vindo do turismo, mas há cidades pequenas, aqui das regiões serrana e do centro-sul que despontam como boas receptoras de visitantes no turismo rural como em fazendas históricas, por exemplo, ou para esportes radicais. Cada uma aproveita o segmento oferecendo o que tem disponível, então é um setor importante para a economia e não apenas isso, mas como fonte de cultura para o brasileiro. Antes da pandemia o turismo doméstico gerava mais de 50 milhões de viagens por ano. São pessoas conhecendo seu país”, afirma Vinicius Farah.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Outras notícias